A equipe psicossocial do Centro COVID-19 3 no município de Santana, a 17 quilômetros de Macapá, buscou na tecnologia uma solução para diminuir o abalo psicológico provocado pela solidão do isolamento social necessário aos pacientes internados com o novo coronavírus.

Por meio de chamadas de vídeo, eles podem conversar e receber mensagens de otimismo. Os parentes também recebem um link pela internet para avaliar diariamente a evolução do estado clínico dos pacientes. Além de conseguirem interagir com os médicos.

A iniciativa fez com que a paciente Karen Danielle Costa, que estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), conseguisse rever o marido para informá-lo sobre a saúde e declarar o amor à família.

“Já estou melhor. Respirando sem oxigênio. Saí da UTI, já consegui ir caminhando até o banheiro. Está tudo bem graças a deus. Estou morrendo de saudade amo muito você e as crianças, espero não demorar”, disse Karen através do tablet.

Tecnologia e humanização

A ideia partiu da equipe psicossocial e da direção do Centro COVID-19 3, com a intenção de fortalecer o psicológico dos internados. Segundo a responsável pela unidade, Lorena Mota, a humanização do tratamento reduz a permanência dos pacientes, que hoje leva de 10 a 14 dias.

“Hoje nós temos 18 pacientes internados na nossa UTI, 13 internados na enfermaria, então estamos tendo uma rotatividade muito bom, favorecendo os pacientes que estão precisando de leitos”, disse Lorena, que tem a formação de enfermeira.

O Centro COVID-19 de Santana, é administrado pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH). Mesma Organização Social que gere a UPA da Zona Sul de Macapá e deve, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), ficar a frente dos Centros COVID-19 1 e 2 em Macapá.

Essa matéria foi publicada originalmente no Portal G1 de notícias.

Suportescreen tag
Skip to content